sexta-feira, dezembro 15, 2006

Santana, situada no oeste da Bahia, comemora 116 anos de autonomia

Com uma população estimada em 24 mil habitantes, Santana, situada no oeste da Bahia, a 840 km de Salvador, completa no próximo dia 16, sábado, 116 anos de autonomia política. No passado, há mais de 40 anos, o município era na sua micro-região, a cidade mais próspera, superando Bom Jesus da Lapa, Santa Maria da Vitória e até Barreiras, que na época possuía energia elétrica movida a motor diesel, enquanto Santana, já se beneficiava com luz da hidrelétrica de Correntina. Hoje, o município pode não ser mais visto como nos tempos passados, tendo sido superado por estas cidades, mas ainda é um lugar dotado de potencialidades e gente simples e hospitaleira.

Santana já possuiu duas usinas beneficiadoras de algodão, duas fábricas de manteiga em tempos que as estradas eram impraticáveis, até se chegar aos portos de Sítio do Mato ou Porto Novo, à beira dos rios São Francisco ou Corrente, que escoavam a produção. Atualmente, a economia de Santana é baseada na produção de cana-de-açúcar, transformada em rapadura e cachaça e pecuária de corte e leite, possuindo um rebanho de aproximadamente 45 mil cabeças. Até o final da década de 1970 a manteiga santanense era um orgulho do município, possuindo uma grande fábrica do produto.

No entanto, a cultura da mandioca, utilizada principalmente para a produção de farinha, transformou-se ao longo do tempo em uma das principais potencialidades do município. A mamona é uma cultura promissora, já fez parte da matriz produtiva da agricultura de Santana, que era o maior produtor de oleagenosa na região. Ultimamente tem ganhado novo impulso com a criação do Programa Nacional do Biodiesel, e a perspectiva é de um grande crescimento na área plantada e na instalação de indústrias de processamento. A fruticultura também encontra em Santana, condições extremamente favoráveis, como solos profundos, planos, de fácil mecanização e água de alta qualidade para irrigação.

O prefeito Marco Aurélio dos Santos Cardoso trabalha para atrair investidores para o município, criando novos empregos e movimentando a economia local. Instruir os produtores rurais para que agreguem valor ao que é produzido, tem sido uma constante na administração municipal. Duas torrefações de café empregam mão-de-obra local. A cidade também é forte no setor de temperos. A feira livre atrai compradores de várias regiões, além de ser uma oportunidade ímpar para que os pequenos agricultores vendam sua produção.

TURISMO E CULTURA - Apesar de estar distante do litoral baiano, Santana é privilegiada pela natureza. A cidade possui mais de 13 quilômetros de grutas e cavernas interconectadas com cachoeiras, trilhas naturais e nascentes, além do encanto do Rio Corrente. A Caverna do Padre é uma das maiores do país, uma beleza esculpida pela natureza. A atual administração do prefeito Marco Cardoso tem buscado inserir o município no roteiro turístico da Bahia, para tanto, já foi assinado um convênio com a Bahiatursa. Ao investir no setor, a atração de emprego e renda para a população é inevitável, já que a chegada de turistas representa hotéis com leitos preenchidos e movimentação do comércio local.

Outra bela ação da gestão municipal de Santana é a promoção de festas típicas da cidade, que além de resgatar a cultura local, também incrementa o turismo. A Filarmônica Colimério, reativada em 2005, tem como finalidade revelar e formar os muitos talentos existentes no município. Hoje, a filarmônica se apresenta em diversos municípios, levando música, beleza, cultura e história ao som da flauta doce. Santana também ganhou uma Casa da Cultura, um local onde mais e melhores investimentos culturais poderão ser obtidos para a cidade.

Na segunda metade do século XVII, os índios tupiniquins vindos da região de Angical estabeleceram-se na região de Santana. Em 1760, o sargento-mor Antônio da Costa Xavier chegou à região, se ficando e fundando uma fazenda de cana de açúcar e criação de gado que deu origem ao arraial pertencente ao Distrito de São Gonçalo do município de Rio das Éguas, com o nome de Santana dos Brejos, denominação da capela existente no local, que em 1868 foi elevada a freguesia. A cidade de Santana dos Brejos, território desmembrado do de Santa Maria da Vitória, foi criado em 1890.

4 Comments:

At 1:21 AM, Blogger Danyela said...

EM MEADOS DE 1996 ,TIVE O IMENSO PRAZER DE CONHECER ESTA CIDADE. PEQUENA ,PORÉM GRANDE EM SEUS ENCANTOS NATURAIS. PARABÉNS!!!

 
At 6:10 PM, Blogger mirao de tio said...

2010 eu estive em santana depois de 32 anos divertir muito no calcadao mestou air no micareta se deus quizer

 
At 6:11 PM, Blogger mirao de tio said...

2010 eu estive em santana depois de 32 anos divertir muito no calcadao mestou air no micareta se deus quizer

 
At 6:11 PM, Blogger mirao de tio said...

2010 eu estive em santana depois de 32 anos divertir muito no calcadao mestou air no micareta se deus quizer

 

Postar um comentário

<< Home