quinta-feira, dezembro 28, 2006

CCZ presta contas de trabalho à população

O coordenador do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Paulo Luna, prestou contas ao diretor do Departamento de Vigilância à Saúde, Manoel Matos, na última terça-feira, 26, dos trabalhos realizados pelo centro neste ano de 2006, após dar por encerradas as atividades neste período.

Segundo Luna, o trabalho extensivo na área de combate às doenças transmitidas por animais para seres humanos foi coroado de pleno êxito, através de um grande esforço para realizar uma cobertura vacinal segura de cães e gatos contra a raiva animal, protegendo, desta forma, a população contra uma doença que é letal e não tem cura.

Outro trabalho realizado pelo centro foi a identificação e erradicação de casos de Leishmaniose canina, em todo o município e em municípios vizinhos como Barro Preto, onde foram identificados e tratados cinco casos confirmados pelo Laboratório Central do Estado (Lacen), em Salvador, com base em amostras colhidas pelo CCZ.

Paulo Luna afirmou que o objetivo do Centro de Zoonoses sempre foi o de procurar resolver todos os casos de suspeita de doenças denunciados, através do tratamento destas e em especial da profilaxia, como foi feito com relação à raiva, com a cobertura vacinal de mais de oitenta por cento dos animais em nosso município.

O atendimento domiciliar ao público e no próprio centro também é um dos procedimentos do CCZ, que realiza, além da vacinação de animais, o receituário de medicamentos e pequenas cirurgias, sempre sob a responsabilidade de profissionais veterinários e técnicos do próprio centro.

A falta de equipamentos, veículos adaptados, funcionários e aparelhos nunca foram um impedimento para que o CCZ realizasse com afinco as suas tarefas. “As dificuldades que temos são reais e conseqüência da realidade financeira da maior parte das prefeituras do país, o que não serve de desculpa para não fazermos sempre o possível e, às vezes, o impossível no nosso trabalho”, avaliou Luna.

Uma reclamação feita pelo coordenador do CCZ foi com relação ao Conselho Regional de Medicina Veterinária que, segundo Paulo Luna, tem dificultado o desenvolvimento de um trabalho arrojado e inovador, com sucessivas representações junto ao Ministério Público.

Estatuto - A criação de um Estatuto do CCZ, que determina como deve proceder e funcionar o Centro de Controle de Zoonoses de Itabuna, foi um outro ponto destacado pelo coordenador, o que, segundo ele, facilita o acesso de estudantes da Emarc e da Uesc nos estágios supervisionados.

Para Luna, este documento é um instrumento de grande importância para o planejamento de atividades e estratégias de atuação do CCZ, no médio e longo prazo, possibilitando delimitar e direcionar a assinatura de convênios e a captação de recursos necessários para o desenvolvimento de suas atividades.

Chagas - Uma situação que preocupa atualmente a coordenação do CCZ é a desconfiança de um caso de Doença de Chagas em nosso município. A possibilidade da doença apareceu após um morador da zona rural de Itabuna comparecer ao centro trazendo um “besouro”, que o havia picado, identificado como um barbeiro (Triatomídeo) de uma espécie transmissora do protozoário Tripanosoma cruzi, causador da doença.

O CCZ aguarda o resultado do exame de sangue do paciente para que se confirme a presença do protozoário. Uma visita de técnicos do centro à região onde mora o paciente identificou a presença endêmica (natural) do barbeiro, que devido à devastação das matas, seu habitat natural, está ocupando espaços nas casas dos moradores da localidade, o que preocupa os técnicos do CCZ, pela possibilidade de novos casos da doença. (Fonte: Ascom de Itabuna)